terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Compartilhar conteúdo não é pirataria. Pirataria é outra coisa.


SOPA e PIPA são siglas que se tornaram populares no início de 2012. Um projeto de lei americano que "teoricamente" visa a combater a pirataria está causando polêmica em todo o mundo. Outros projetos similares despontam em vários países. Hackers "anônimos" contra-atacam invadindo sites do governo americano e de gravadoras e produtoras, como a Sony.

Ocorre que nesta disputa devemos refletir sobre uma coisa: afinal o que é pirataria? Entre os vários conceitos, entende-se pirataria como "a reprodução, venda e distribuição de produtos sem a devida autorização e o pagamento dos direitos autorais.
Os produtos pirateados, além de serem diversificados, são financiados por máfias (...). Esses produzem sapatos, roupas, óculos, brinquedos, perfumes, relógios, livros, peças automobilísticas, instrumentos cirúrgicos e principalmente cigarros, bebidas, cds e dvds. (daqui)"

Mas devemos levar em conta que o mundo está mudando; a sociedade está mudando; a tecnologia permite coisas que antes eram impossíveis. E todos devemos acompanhar estas mudanças. A sociedade está, cada dia mais, compartilhando conhecimento, informação, conteúdo. É um caminho sem volta.
E é claro que muitas destas mudanças afetam a indústria cultural massiva. Essa indústria que está ruindo na era da "Cauda Longa" e do "Free", onde as pessoas deixaram de ser meros receptores para também serem produtores. Onde deixamos os mercados de massa para mercados de nichos, com produtos cada vez mais baratos ou de graça.

Em relação à música, que tem ocupado as manchetes principais, vale lembrar que as pessoas sempre compartilharam aquilo que gostam. Antes, emprestavam seus "discos" para amigos; depois, gravavam as músicas preferidas em fitas TDK ou SONY (ela mesma); e até aí tudo bem. Depois começaram a gravar suas seleções em CDs e mais tarde em seus iPods e celulares.

Acontece que alguns viram possibilidade de lucrar com isso e passaram a vender estes CDs. Isso é pirataria! Assim como produzir e vender tênis Nike sem autorização para usar a marca é crime, produzir e vender CD sem autorização também é crime. Claro!

Mas compartilhar música não pode ser colocado no mesmo patamar destas ações criminosas; lucrar com isso, sim. Talvez tenha sido este o problema do site Megaupload.
Mas as gravadoras e produtoras não podem mais impedir que as pessoas compartilhem aquilo que gostam, afinal, as pessoas estão compartilhando suas vidas (fotos, fatos, vídeos e músicas!).

A sociedade digital não reconhece as barreiras físicas que sempre marcaram o modelo tradicional da mídia. O CD é um produto moribundo que ainda sobrevive por força do poder desta indústria cultural que tenta lutar numa guerra perdida.
Pirataria é crime. Compartilhar música, sem fins lucrativos, NÃO.
Compartilhar música não é pirataria. Pirataria é outra coisa.

Nenhum comentário: